Buscar
  • Gabrielle Canena

Como ajudar os animais

Atualizado: 22 de Jul de 2019




Hey, Rebel!

Se chegou aqui você com certeza gosta de animais, certo?

Muitas vezes as notícias que mais nos comovem incluem animais e sempre temos aquele sentimento de “queria poder fazer algo”. Contudo, para a maioria das pessoas isso não passa de um pensamento.

Se você faz parte desse grupo, mas gostaria de mudar e fazer a diferença, este artigo é para você.

Há muito a ser feito em prol dos animais e você pode ajudá-los sem precisar levantar da cadeira ou “colocando a mão na massa”, você que decide.

“Mas como?”

Vamos lhe dar algumas dicas e ideias do que você pode fazer para mudar o mundo e salvar vidas.

Não se esqueça de conferir a lista de ONGs para ajudar no final do artigo!


DOAÇÕES

Doar para muitos não é algo confiável, principalmente quando se trata de dinheiro, por isso é importante saber se a instituição que recebe as doações é de confiança e se ela "presta contas" por meio de fotos do seu trabalho e projetos.

Se você ainda assim fica com o pé atrás para doar dinheiro, pode doar outras coisas que ajudam a manter uma ONG, como sacos de ração, cobertores, casinhas, etc.

As doações muitas vezes são o mínimo para uma ONG continuar de pé, portanto se cada um de nós doasse um pequeno valor, ela poderia se manter e continuar ajudando diversos animais.

Algumas ONGs também utilizam as doações para criarem projetos e campanhas de adoção, conscientização, ou até mesmo para manter uma equipe (como é o caso da ANDA, um jornal online com notícias relacionadas aos animais, dando voz a eles e defendendo seu direito à vida).

Você pode também doar a sua nota fiscal! Ao invés de jogá-la no lixo, doe para que ela ajude uma instituição.

As doações são a principal forma de ajudar ONGs de animais silvestres e/ou aqueles em risco de extinção.

Você pode procurar ONGs na sua própria cidade ou doar pela internet, sem sair do lugar!

APADRINHAMENTOS

São como doações, porém direcionadas a animais específicos. Muitas pessoas gostariam de ajudar, mas não podem adotar um animal.

Através do apadrinhamento você pode fazer doações para ajudar a manter o animal, independentemente do valor que puder doar.

Muitos animais são doentes, idosos ou precisam de cuidados especiais e o apadrinhamento é o ideal para ajudá-los.


LAR TEMPORÁRIO

Se você não pode adotar permanentemente um animal, dê um lar temporário, resgatando animais das ruas e colocando-os para adoção. Para isso é preciso que tenha em mente a responsabilidade que é recolher um animal em sua casa e saber suas limitações.

De qualquer forma, faça o que estiver ao seu alcance!

ADOÇÃO

Se estiver certo de que pode arcar com as despesas, de que tem espaço e tempo o suficiente, adote! Há muitos animais em lares temporários, sites de adoção, canis e nas ruas esperando por um lar.

É um ato de amor e responsabilidade, já que é importantíssimo ter a noção de que você ficará responsável por uma vida.

SEJA UM VOLUNTÁRIO


Se você tem um tempo livre é ideal ser um voluntário e ajudar pessoalmente. Se voluntariar e se envolver com uma causa é certamente uma das coisas mais recompensadoras do mundo.

Ser um voluntário é uma grande opção para aqueles que não podem arcar com gastos provenientes de uma adoção, de um lar temporário ou doações.

Existem diversas áreas para auxiliar, desde a parte administrativa da ONG, da parte audiovisual, até em bazares, arrecadações e tratamentos veterinários.

Por exemplo, a ONG Arca Brasil abre as portas para voluntários nas áreas de web design, programação para web, jornalismo, tradução, marketing, além de eventos e/ou ações diretas.

Já na ONG Natureza em Forma, você pode ajudar preenchendo um formulário e atuando possivelmente no Centro de Adoção, ou ser voluntário profissional como Advogado, Fotógrafo, Web Designer, Design Gráfico, Contador, Técnico em Informática, Biólogo, Veterinário, Técnico em Software, Técnico de Som, Adestrador / Cinotécnico, Organizador de Eventos / Palcos, etc..

DENUNCIAR MAUS-TRATOS


Certamente, denunciar maus-tratos é o mínimo que pode ser feito para ajudar a salvar uma vida.

E acima de tudo, é preciso ter certeza de que se trata realmente de maus-tratos.

São eles:

  • Abandono;

  • Agressões físicas, como: espancamento, mutilação, envenenamento;

  • Manter o animal preso a correntes ou cordas;

  • Manter o animal em locais não arejados – sem ventilação ou entrada de luz;

  • Manter o animal trancado em locais pequenos e sem o menor cuidado com a higiene;

  • Manter o animal desprotegido contra o sol, chuva ou frio;

  • Não alimentar o animal de forma adequada e diariamente;

  • Não levar o animal doente ou ferido a um veterinário;

  • Submeter o animal a tarefas exaustivas ou além de suas forças;

  • Utilizar animais em espetáculos que possam submetê-los a pânico ou estresse;

  • Capturar animais silvestres.

Outros exemplos estão descritos no Decreto Lei 24.645/1934, de Getúlio Vargas.

Lei de Crimes Ambientais

“Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.§ 1º. Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.§ 2º. “A pena é aumentada de um sexto a um terço se ocorre morte do animal.”

Constituição Federal Brasileira

"Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:

VI – proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas;

VII – preservar as florestas, a fauna e a flora;

Art. 225. Todos têm o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para os presentes e futuras gerações.

§ 1.º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público:

VII – “proteger o Meio Ambiente adotando iniciativas como: proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoque a extinção de espécies ou submetam os animais à crueldade.”

A denúncia pode ser feita nas delegacias comuns ou nas especializadas em meio-ambiente ou animais. Também se pode denunciar diretamente no Ministério Público ou no IBAMA.

Como proceder nas delegacias

Cabe à autoridade policial receber a denúncia e fazer o boletim de ocorrência. O policial que se negar a agir estará cometendo crime de prevaricação (retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal - art. 319 do Código Penal). Caso isso aconteça, há como queixar-se ao Ministério Público ou à Corregedoria da Polícia Civil.

Assim que o escrivão ouvir seu relato sobre o crime, a ele cumpre instaurar inquérito policial ou lavrar Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Negando-se a fazê-lo, sob qualquer pretexto, lembre-o de que ele pode ser responsabilizado por crime de prevaricação, previsto no Art. 329 do Código Penal Brasileiro (retardar ou deixar de praticar indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei para satisfazer interesse ou sentimento pessoal).

Tente descrever com exatidão os fatos ocorridos, o local e, se possível, o nome e endereço do(s) responsável(s).

Também procure levar, caso haja possibilidade, alguma evidência, como fotos, vídeos, notícias de jornais, mapas, laudo ou atestado veterinário, nome de testemunhas e endereço das mesmas. Quanto mais detalhada a denúncia, melhor.

Como proceder no Ministério Público

O Ministério Público tem autoridade para propor ação contra os que desrespeitam a Lei de Crimes Ambientais. Sendo assim, pode-se fazer a denúncia diretamente no MP, o que agiliza muito o processo.

Ibama

As denúncias podem ser feitas pelo telefone 0800 61 8080 (gratuitamente) ou pelo email para linhaverde.sede@ibama.gov.br. O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) as encaminhará para a delegacia mais próxima do local da agressão.

Note que o autor do processo judicial será o Estado e não você. Sendo assim, não tema denunciar. As organizações não governamentais possuem um papel importante e insubstituível na sociedade. Porém, exerça a sua cidadania. Não se cale frente aos crimes contra os animais e o meio ambiente, e exija das autoridades responsáveis as providências previstas por lei.

Contatos

- Disque Meio Ambiente: 0800 11 35 60

- Corpo de Bombeiro: 193 - Polícia Militar: 190

Veja aqui mais contatos úteis.

Números para denúncia:


O que acontecerá se for comprovado o abuso?

Se o agressor foi indiciado, perderá sua condição de réu primário, isso quer dizer que terá sua “ficha suja” na polícia. O atestado de antecedentes criminais também é solicitado caso o agressor candidate-se a um cargo público e também em empresas que peçam informações do passado do candidato. Outras penas variam de acordo com o crime, mas vão de meses a anos de detenção.

Como denunciar incentivo a maus-tratos e abandono na internet?

São eles:

  • Publicações que estimulem os maus-tratos;

  • Publicações que encorajem o abandono;

  • Vídeos de ódio contra os animais;

  • Vídeos de animais sendo punidos (de cunho incentivador);

  • Imagens ou qualquer outro tipo de representação de ideias que incitem os maus-tratos de animais silvestres, domésticos ou exóticos.

Atualmente não existe uma lei específica do direito ambiental para situações como essa, porém, o Artigo 268 fala sobre apologia ao crime e pode ser aplicada em casos de crimes ambientais.

Lembre-se de verificar a veracidade da ocorrência antes de disseminar algum conteúdo. Assim você evita que uma informação falsa chegue a mais pessoas e prejudique alguém injustamente.

NÃO COMPRE ANIMAIS


Não compre animais, sejam eles domésticos como cães e gatos, ou silvestres.

Os animais silvestres comercializados são a base de lucros de uma máfia, não compactue com ela. É necessário que se entenda que animais silvestres não são animais domésticos, logo não devem ser criados como tal. O lugar deles não é em uma gaiola ou até mesmo em uma casa, e sim, nos seus respectivos ecossistemas.

Da mesma forma, não compactue com o comércio de animais domésticos, pois os animais utilizados para reprodução são explorados cruelmente e levados ao extremo, principalmente as fêmeas. Ao comprar um filhote você financia esses atos.

A venda de animais e sua exposição em vitrines e gaiolas em estabelecimentos comerciais, como pet shop, clínicas veterinárias, parques de exposições e feiras agropecuárias, afetando o seu bem-estar é PROIBIDO.

Para denunciar comunique a CFMV, já que cada estabelecimento deve ter um médico veterinário responsável. Leia aqui mais informações sobre esta lei.

EVITAR FILHOTES NÃO DESEJADOS


Todos os anos, os abrigos recebem uma grande quantidade de cães e gatos que já chegam com filhotes indesejados. Outra causa são as mudanças e trocas de domicílio, outras vezes, devido a motivos econômicos. Uma boa solução caso não seja possível controlar as crias indesejadas é esterilizar o animal.

O primeiro passo para o controle populacional de animais de rua é a castração. Além de evitar a propagação desnecessária de filhotes, fazendo com que mais animais fiquem à própria sorte, também evitam-se muitas doenças, como câncer testicular, infecções uterinas e câncer de mama, causa mortal em 50% dos cachorros e em 90% dos gatos. Também há grande chance de diminuir a agressividade e de melhorar o comportamento.

Sem dúvidas a castração melhora a qualidade de vida do seu companheiro, vivendo por mais tempo e de forma mais saudável.

Mas lembre-se: nunca utilize injeções anticoncepcionais em cadelas e gatas!

Estudos constatam que de dez cadelas tratadas com anticoncepcionais, nove desenvolveram piometra (infecção de útero) que pode levar o animal a morte. As alterações uterinas também foram constatadas em gatas que usaram a medicação.

Alguns efeitos nocivos dos anticoncepcionais em cadelas e gatas são:

  • Tumores de mama;

  • Infecções e tumores uterinos;

  • Tumores em ovários;

  • Doenças endócrinas (como o hiperadrenocorticismo e diabetes mellitus);

  • Hiperplasia mamária;

  • Morte fetal.

Vários estudos desenvolvidos sobre esse assunto provaram que o custo-benefício dos anticoncepcionais para animais não é compensatório e, hoje a cirurgia de castração é muito mais acessível e totalmente indicada.

DIVULGUE


Não se esqueça que a conscientização e a divulgação de informações também é muito importante para a causa dos direitos dos animais.

Compartilhe projetos, campanhas, posts de animais para adoção e faça tudo que estiver ao seu alcance. Eles não tem voz, mas nós temos. Denuncie, divulgue, ajude e faça a diferença. Seja um ativista e defenda a sua causa.

Caso queira tirar dúvidas, precisa de conselhos ou ajuda, entre em contato e faremos o possível para ajudar.

#BeARebel

-LISTA DE ONGs-

MPC SOS Vida Animal

World Animal Protection

Projeto Mucky

Adotacão

Amigo Animal

Natureza em forma

ONG do Cão

Doa Pet

Mercy For Animals

Sea Shepherd

ANDA

Cão Sem Dono

Ampara Animal

Arca Brasil

Com informações de PetMag, Meus Animais, Gazeta da Cidade e CatracaLivre.

#animais #direitodosanimais #ativismo