Buscar
  • Gabrielle Canena

Música brasileira de atitude

Atualizado: 22 de Jul de 2019




Hey, Rebels!

Vamos falar de música brasileira? Para muitos, a música nacional é "lixo", sem mais nem menos. Mais uma vez desvalorizamos o que temos, o que somos, a nossa cultura.

A música é uma das formas de artes mais expressivas, logo cada melodia, cada letra representa algo muito importante tanto a nível pessoal quanto nacional. O Brasil enfrenta diversos problemas sociais, políticos e econômicos e nos expressar através da arte é uma forma de nos unirmos, de "falarmos a mesma língua" e de dizermos para nós mesmos que "não podemos desistir" e que "a resistência é importante".

Confira alguns artistas de atitude, que defendem causas, que separamos para você! Se ainda tem algum preconceito em relação à nossa cultura, confira do mesmo jeito, abra sua mente ;) Tenho certeza que irá gostar!


ESTREIA: 2014

GÊNERO MUSICAL: MPB,R&B, Soul, Blues.

CAUSAS: LGBT, Resistência Negra

ORIGEM: Araraquara (SP)

SOBRE: Liniker é uma cantora e compositora brasileira, presente na indústria musical desde o lançamento de seu EP "Cru" em 2015. Sendo uma pessoa não-binária e negra, é uma forte representatividade às comunidades LGBT e negra. A cantora criou um projeto musical chamado "Liniker e os Caramelows". "Neste momento de tanta opressão, me colocar assim, com essa força, é muito importante. As pessoas precisam saber que eu sou negro, pobre e gay e posso ter uma potência também. Sou um artista que se expressa assim. Então, se você está aí, se sente reprimido e tem vontade de colocar seus demônios para fora, mostrar quem você realmente é, coloque-se. Esse é um dos meus maiores desejos como artista desta geração." -Liniker em uma entrevista para o El País.


EXTRA- Confira mais sobre a artista:



ESTREIA: 2010

GÊNERO MUSICAL: Pop, R&B, eletrônica.

CAUSAS: LGBT

ORIGEM: Castanhal (PA)

SOBRE: Tímido, esquisito e freak. Esses são alguns adjetivos que Jaloo usa para se definir. Seu primeiro álbum autoral, #1, foi lançado no final do ano passado e apresenta o que ele chama de sci-fi brega - uma mistura de música eletrônica, tecnobrega e ritmos latinos. As letras falam sobre vivências na cidade natal e desilusões amorosas, numa mistura nada convencional de regionalismo e modernidade.


EXTRA- Confira mais sobre a artista:


ESTREIA: -

GÊNERO MUSICAL: MPB, pop, rock, brega CAUSAS: LGBT ORIGEM: Recife (PE) SOBRE: Seu estilo visual/musical se baseia nas personagens do glam rock, do pop e do tropicalismo. Suas principais referências são David Bowie, Madonna e Caetano Veloso.

“Sou totalmente gay, não teria por que esconder. Temos que deixar de lado os puritanismos, a coisa provinciana. Acho que a música dá mais liberdade para o artista se assumir. No entanto, a maioria do meu público é de mulheres, heteros ou gays. Elas ficam doidas no show. Acho que é porque canto também no feminino, visto as personagens nas músicas. Me comunico com elas de forma respeitosa. É bom ser compreendido quando a proposta é essa.” -Jhonny para a revista Época.


Jhonny Hooker também uniu-se a Liniker para a criação da música"Flutua", onde relatam um caso LGBT, no qual um dos personagens é surdo. É uma grande crítica social, que vale à pena ser vista:


EXTRA- Confira mais sobre a artista:



ESTREIA: 2015 GÊNERO MUSICAL: Funk carioca, Pop CAUSAS: LGBT e Resistência Negra ORIGEM: São Paulo (SP) SOBRE: Linna Pereira mais conhecida como Linn da Quebrada (São Paulo, 18 de julho de 1990), é uma atriz, cantora, compositora e ativista transexual brasileira de funk carioca e pop. Linn inova ao destoar do estereótipo de mulher transexual ao não possuir prótese e optar pela permanência do pênis. Ela está entre os artistas mais relevantes do cenário musical LGBT brasileiro atual. Ela ascendeu ao reconhecimento utilizando-se do choque de culturas, tocando em tabus e desconstruindo estereótipos com o seu estilo mordaz e sarcástico bem particular.



ESTREIA: 2014 GÊNERO MUSICAL: Pop, queer rap, hip hop, rap, trap CAUSAS: LGBT, Resistência Negra ORIGEM: Taboão da Serra (SP) SOBRE: Jefferson Ricardo da Silva (22 de julho de 1989, Taboão da Serra, São Paulo), mais conhecido por seu nome artístico Rico Dalasam. Dalasam é a abreviação da frase "Disponho Armas Libertárias a Sonhos Antes Mutilados", é um cantor, compositor e rapper brasileiro. Abertamente gay, é representante da comunidade LGBT no intitulado queer rap. Cita Rick James, Prince e André 3000 como influências musicais.

Uma de suas inspirações musicais é a própria aceitação da sexualidade, abordada nas canções "Aceite-C" e "Não Posso Esperar", presentes no extended play (EP) Modo Diverso, sendo a primeira seu single de divulgação. Lançou seu disco de estreia Orgunga em junho de 2016, cujo título faz referência às palavras "orgulho, negro e gay" .Ficou também conhecido após postar um clipe com a participação de Pabllo Vittar, "Todo Dia", cujo videoclipe ultrapassou a marca de 10 milhões visualizações em dois meses após o lançamento.



ESTREIA: 2002

GÊNERO MUSICAL: Hip Hop, Trap, Pop

CAUSAS: LGBT

ORIGEM: São Paulo (SP)

SOBRE: Daniel Garcia Felicione Napoleão[1] (São Paulo, 18 de janeiro de 1995), mais conhecido como Gloria Groove, é um cantor, compositor, dublador, rapper, ator e drag queen brasileiro.

"Não acho que as coisas sejam separadas. É meu alter ego, meu nome artístico. Não me sinto menino nem menina, acho que as coisas estão começando a se misturar um pouco. A figura da Gloria é meio mano, a do Daniel usa roupa de menina. As pessoas me chamam de Gloria e de Daniel. Sou chamada de 'ela' até quando não estou montada" -Gloria Groove.



ESTREIA: 2004

GÊNERO MUSICAL: Pop, Hip Hop, MPB

CAUSAS: LGBT, Resistência Negra, Feminismo

ORIGEM: Curitiba (PR)

SOBRE: Karoline dos Santos Oliveira, mais conhecida como Karol Conka, é uma rapper, cantora e compositora brasileira, além de atriz, produtora, modelo e apresentadora. É conhecida por suas canções que exaltam a força da mulher na sociedade.

"Há tanta gente infeliz com vergonha da beleza natural. É só mais um aprendiz que se esconde atrás de uma vida virtual. Gorda, preta, loira, o que tiver que ser... magra, santa, doida, somos a força e o poder. Basta chegar, bora, levanta a cabeça e vê. Vem cá, viva, sinta, o que quiser você pode ser". -Karol Conká



ESTREIA:2011

GÊNERO MUSICAL: MPB, Rock

CAUSAS: Feminismo, Resistência Negra, LGBT

ORIGEM: São Paulo

SOBRE: As Bahias e a Cozinha Mineira é um grupo musical brasileiro, formado na Universidade de São Paulo em 2011 onde a banda começou a se apresentar em festas universitárias. O grupo possui fortes influências de Gal Costa e do Clube da Esquina, e tem como mote na música identificar as formas de expressão das mulheres.



ESTREIA: 2018

GÊNERO MUSICAL: Hip Hop

CAUSAS: LGBT e Resistência Negra

ORIGEM: -

SOBRE: Formado por cinco artistas negros, LGBT’S e independentes que fazem o hip hop de base para seus sons somando com outros estilos negros como R&B, afropop e dancehall, o Quebrada Queer acaba de lançar clipe e single inéditos.

QUEBRADA é um dos vocabulários próprios adotado pela periferia. Já o termo QUEER é usado para representar xs LGBT, mas seu significado inicial pode ser compreendido através da história da criação do termo, inicialmente uma gíria inglesa, que literalmente significa “estranho, talvez ridículo, excêntrico, raro, extraordinário”.

O grupo, formado por Guigo, Harlley, Lucas Boombeat, Murillo Zyess e Tchelo Gomez, tem o intuito de disseminar suas vivências e sentimentos através da música negra periférica independente, agregando e aquecendo o cenário LGBT, ocupando espaços culturais, com mensagens de conscientização, respeito, positividade que possam agregar na vida de pessoas.



ESTREIA: 2015

GÊNERO MUSICAL: Pop, R&B

CAUSAS: Feminismo

ORIGEM: São Paulo (SP)

SOBRE: Filha de pastores missionários, Kell só ouviu e cantou música gospel até os 12 anos, até que um disco de Elis Regina (Falso Brilhante) lhe abriu os horizontes. Incorporou ao seu repertório clássicos da MPB, que passou a cantar em barzinhos de Presidente Prudente por um ano, até que assinou com a gravadora Midas Music (Rick Bonadio).

“Não tenho preconceito. Música é música. Quanto mais gente de estilos diferentes eu conhecer, mais bacana fica”-Kell Smith.


Sabemos que a lista poderia ser muuuito maior, há muito talento e atitude nos nossos artistas. Mas fica para a próxima, quem sabe para uma "parte II"? ;) Apoie a música nacional, escute as vozes de cantores que lutam por algo, que acreditam em algo e que representam isso em suas músicas. #BeARebel

#música #brasil #cultura #ativismo