Buscar
  • Gabrielle Canena

Como ajudar pessoas com depressão

Atualizado: 22 de Jul de 2019





Hey, Rebels! Hoje, dia 10 de setembro, é Dia Mundial da Prevenção do Suicídio.

A depressão é um distúrbio que afeta mais de 10% da população mundial. Segundo dados da OMS o Brasil é o país mais depressivo da América Latina: estima-se que 11,5 milhões de brasileiros sofram com a doença, totalizando quase 6% da população, o que significa que muitas pessoas ao nosso redor podem apresentar sintomas.

Leia este artigo e saiba como ajudar alguém que sofre com a depressão, além de dicas para cuidar de si mesmo.


A Depressão

Trata-se de uma doença que tem origem psicológica, emocional e ambiental, manifestando-se por meio de uma tristeza sem motivo aparente e que deixa o indivíduo incapacitado de realizar suas atividades cotidianas e de se relacionar de maneira saudável.


A medicina é capaz de controlar os principais sintomas da depressão por meio do uso de medicamentos, mas também é importante cuidar dos fatores emocionais que originaram o problema para garantir que os remédios não funcionem apenas como uma ferramenta que camufla feridas emocionais. Para que o indivíduo supere a depressão, é fundamental que essas feridas sejam devidamente identificadas e tratadas.

Pessoas que se encontram em um quadro depressivo só conseguem enxergar o lado negativo das coisas e geralmente têm muita dificuldade para exercer tarefas simples do cotidiano ou fazer atividades que antes traziam prazer. Vale lembrar que a depressão é uma doença e, como tal, é essencial que seus sintomas sejam identificados adequadamente para que o problema não evolua para uma depressão profunda (também conhecida como depressão severa).

Tristeza x Depressão

A tristeza geralmente está associada a algum motivo específico, que faz com que o indivíduo se sinta chateado durante um tempo relativamente curto. Quando a tristeza persiste, porém, é necessário que haja acompanhamento médico. Quando a pessoa está deprimida, ela tende a procrastinar e se perder em meio a sua tristeza e, justamente por esse motivo, é importante que você saiba conversar claramente com o deprimido e incentivá-lo a procurar ajuda.

Sintomas

-Humor deprimido ou irritabilidade, ansiedade e angústia;

-Alteração no sono (insônia ou hipersonia) e apetite;

-Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas

-Desinteresse, falta de motivação e apatia;

-Ansiedade;

- Falta de prazer e esperança;

-Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio;

-Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima;

-Sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte;

-Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom “cinzento” para si, os outros e o seu mundo;

-Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento;

-Isolamento completo;

-Sentimento de culpa;

-Diminuição drástica de desempenho profissional;

-Dificuldade de concentração;

-Dificuldade para manter a higiene pessoal;

- Redução do desejo sexual;

-Pensamentos suicidas.


O QUE FAZER

Conversar sobre a depressão com a pessoa

Depois que tiver reconhecido que a pessoa está sofrendo de depressão, seja honesto e converse abertamente com ela.

Explique que a depressão é uma desordem clínica. Ela é uma condição médica que pode ser diagnosticada por um médico e tratada. Garanta à pessoa que a depressão que ela sente é real.

Seja firme. Deixe claro que está preocupado com seu amigo e não o deixe afastar a conversa dizendo que está apenas "num mês ruim". Se ele tentar mudar de assunto, volte a conversa para o estado emocional dele.

Ajude a pessoa a buscar ajuda profissional

Antes de vocês dois tentarem atacar o problema sozinhos, entenda que a depressão não tratada é bastante séria. Você ainda pode ajudar seu amigo, mas ele também deve procurar um profissional de saúde mental. Há diferentes tipos de terapeutas, e cada um tem diversas habilidades e especialidades que incluem orientação, psicologia clínica e psiquiatria.Você pode frequentar um ou alguns.


Orientadores: a orientação psicológica é um campo da terapia que se concentra em habilidades auxiliares e em ajudar as pessoas a superar tempos difíceis em suas vidas. Esse tipo de terapia pode ser curta ou longa e geralmente é específica e orientada para objetivos.

Psicólogos clínicos: eles são treinados para administrar testes e confirmar um diagnóstico, portanto tendem a se focar mais na psicopatologia, ou no estudo das desordens comportamentais ou mentais.

Psiquiatras: eles podem usar a psicoterapia e escalas ou testes em suas práticas, mas geralmente são procurados quando o paciente quer explorar a opção da medicação. Só os psiquiatras podem prescrever medicamentos.

Para lidar com um familiar com depressão e convencê-lo a se tratar é preciso ter muito tato e sensibilidade. O psiquiatra Geraldo Possendoro, mestre em Neurociências e Comportamento, indica que a abordagem seja feita quando a pessoa estiver tranquila. Neste momento, uma boa estratégia é tentar mostrar o quanto a pessoa está mudada.

É muito importante orientar a pessoa a procurar uma ajuda profissional neste momento difícil, porém, isso precisa ser feito com cuidado e de forma delicada. Se você disser a pessoa que ela “precisa” de terapia ou forçá-la a ir a uma consulta terapêutica, ela pode acabar ficando ofendida e se recusar a buscar ajuda.

Quando for propor que ela procure um profissional da área, tente mostrar que desta forma ela terá uma enorme melhora na qualidade de vida e que ela merece isso. Mostre que você está dizendo isso porque se importa e está tentando ajudá-la a viver uma vida mais feliz.

Ajude a pessoa a se tratar

Ofereça-se para marcar uma consulta para a pessoa. Caso ela esteja em dúvida quanto a procurar um profissional médico, você pode marcar uma consulta para ela, pois às vezes é difícil para alguém dar esse primeiro passo.

Acompanhe a pessoa na primeira consulta. Você pode ir junto com ela para deixá-la mais confortável.Se você falar diretamente com o profissional de saúde mental, pode ter a chance de explicar a ele brevemente quais são os sintomas da pessoa, mas lembre-se de que esse profissional provavelmente vai querer falar com ela a sós.

Sugira tipos diferentes de terapia

Há três terapias principais que se mostraram mais benéficas aos pacientes. Estas são a terapia cognitiva comportamental, a interpessoal e a psicodinâmica. A pessoa pode se beneficiar dos tipos diferentes dependendo da situação dela.

Terapia cognitiva comportamental: o objetivo dela é desafiar e mudar crenças, atitudes e preconceitos que acredita-se estarem por baixo dos sintomas depressivos e alterar os comportamentos mal adaptados.

Terapia interpessoal: ela se concentra em lidar com as mudanças na vida, construir habilidades sociais e em outras questões interpessoais que podem contribuir para sintomas de depressão, e pode ser particularmente eficaz se um evento específico como uma morte tiver desencadeado um episódio depressivo recente.

Terapia psicodinâmica: ela procura ajudar a pessoa a entender e a lidar com os sentimentos que vêm de conflitos não resolvidos, e se concentra em identificar sentimentos inconscientes.

Mostre a ela a sua importância

A depressão pode fazer com que a pessoa se sinta completamente sem valor e por vezes pense que é um fardo para aqueles que a amam. Sendo assim, é muito importante deixar claro o valor daquela pessoa na sua vida. Lembre-a regularmente que você a valoriza e use gestos bondosos e positivos que farão com que ela se sinta amada. Não pense apenas no que você gostaria que fizessem por você, mas sim, o que você acha que aquela pessoa gostaria de receber.

Seja um bom ouvinte

Em alguns momentos pode ser necessário apenas um abraço e o silêncio ao lado do seu amigo. Um colo, cafuné e um momento de acolhimento e carinho. Um abraço apertado pode valer mais do que muitas palavras.


Saiba também o momento certo de se despedir e dar um espaço para que a pessoa respire.

A melhor coisa que você pode fazer é ouvir a pessoa falar sobre a depressão. Prepare-se para escutar qualquer coisa que ela tenha a dizer e tente não parecer tão chocado, mesmo que ela diga algo realmente terrível, pois pode acabar desencorajando-a. Seja aberto, afetuoso e ouça sem julgar.

Se a pessoa não quiser falar, tente fazer algumas perguntas gentilmente para ajudá-la a se abrir. Pergunte como ela passou a semana, por exemplo.

Quando a pessoa lhe contar algo ruim, encoraje-a dizendo: "Deve ter sido difícil para você me contar isso" ou "Muito obrigado por se abrir".

Dê toda a sua atenção

Guarde seu celular, faça contato visual e mostre que está dando 100% do seu esforço para a conversa.

Saiba o que dizer

A organização norte-americana Depression and Bipolar Support Alliance (DBSA) recomenda evitar frases como "Pense positivo", "É normal o que está sentindo, todos passam por isso uma vez na vida" e "Não sei como te ajudar", que podem fazer o doente se sentir ainda pior.

O ideal é mostrar que entende o sofrimento e que está disponível para ajudar. Boas frases são: "Você não está sozinho. Estou aqui por você", "Você tem uma doença real que causa esses pensamentos e sentimentos", "Pode ser difícil acreditar, mas seus sentimentos mudarão", "Você é importante para mim. Sua vida é importante para mim" e "Nós passaremos por isso juntos".

Ajude-a a ver o lado bom das coisas

Ao falar com ela, tente manter a conversa o mais positiva possível. Não fique forçando, mas procure mostrar a seu amigo um ângulo melhor da vida e da situação dele.

Mantenha contato e fique perto

A solidão é um sentimento comum em quem sofre deste transtorno e, por este motivo, é aconselhável que o familiar ou amigo mostre que está disponível para conversar, ouvir e ajudar sempre que preciso.

Saiam juntos

Convide seu amigo para realizar algumas atividades ao ar livre.Alguns estudos mostram que se conectar com a natureza pode reduzir o estresse e melhorar o humor.

De acordo com as pesquisas, andar em locais gramados pode ajudar a mente de uma pessoa a entrar em um estado meditativo, contribuindo para o relaxamento e para a melhora do humor.Tomar um pouco de sol elevará os níveis de vitamina D, o que pode contribuir para a melhora do humor. Apenas sentar em um banco e tomar sol por alguns minutos pode ajudar.


Uma caminhada, um passeio de bicicleta e até mesmo um piquenique no parque. Um pouco de caminhada e exercício físico já contribuirá para a liberação de hormônios do prazer como a endorfina e dopamina.

Estimular a participação em aulas como pilates, yoga, mindfulness, meditação, música ou coisas mais divertidas como o slack podem proporcionar momentos de alegria e algumas risadas. Um convite para um cinema, um passeio em uma livraria e uma visita a um local relacionado à espiritualidade podem funcionar também. O importante é nutrir as necessidades físicas, espirituais ou emocionais.

Outra dica é levá-la para correr, nadar, dançar ou jogar alguma partida esportiva. Exercícios físicos são antidepressivos naturais pois liberam neurotransmissores que relaxam o sistema nervoso e fornecem bem-estar.

A incentive a ter novos hobbies e atividades

Ele pode se distrair, mesmo que só por um tempo, da depressão se tiver algo para se envolver e para esperar. Embora você não deva forçá-lo a pular de asa-delta ou aprender japonês por completo, incentivá-lo a ter alguns interesses pode ajudar a afastar o foco da depressão.

Encontre alguma literatura inspiradora para seu amigo. Vocês podem ler juntos ou discutir o livro.

Traga um filme de seu diretor favorito. Seu amigo pode se apaixonar por uma nova gama de filmes e você pode fazer companhia a ele enquanto assistem.

Sugira a seu amigo expressar o lado criativo dele. Desenhar, pintar ou escrever poesia pode ajudá-lo a se expressar, e também é uma atividade que vocês podem fazer juntos.

Reconheça as conquistas dela

Sempre que ele cumprir uma meta, reconheça o fato e dê os parabéns a ele. Mesmo os objetivos pequenos, como tomar banho ou ir ao supermercado, podem ser importantes para uma pessoa deprimida.

Procure ajuda imediatamente caso a pessoa esteja dando indícios de suicídio

Procure ajuda imediatamente caso seu amigo esteja pensando em suicídio. Se esse for o caso, ligue para a emergência ou leve-o para o pronto-socorro mais próximo.No Brasil, você também pode ligar para o Centro de Valorização da Vida (CVV), cujo número é 188.

Tenha paciência

A depressão não é uma doença que se cura de uma hora para outra, mas apresenta altos e baixo que são estressantes para a pessoa com a doença e quem convive com ela.

Durante o tratamento, tanto você quanto a pessoa deverão ser pacientes, pois os efeitos da terapia e da medicação são graduais. A pessoa frequentará sessões regulares pelo menos durante alguns meses antes de perceber algum efeito, e nenhum de vocês deverá perder a esperança antes que a medicação e a terapia tenham tido tempo de funcionar.

Em geral, demora pelo menos três meses para se ver qualquer efeito duradouro de um antidepressivo.

O QUE NÃO FAZER

Não confrontar

Lembre-se de que seu amigo (ou amiga) está sofrendo de um problema emocional e num estado bastante vulnerável. Embora seja importante ser firme, não exagere no começo.

Não comece dizendo algo como "Você está deprimido. Como vamos lidar com isso?". Inicie a conversa com algo do tipo: "Percebi que você tem estado muito para baixo ultimamente. O que acha que está acontecendo?".Seja paciente. Às vezes, demora um pouco até que uma pessoa comece a se abrir, portanto dê a ela quanto tempo ela precisar. Só procure não deixar que ela afaste a conversa.

Não diga para a pessoa "sair dessa"

Dizer a alguém para "sair dessa" ou "se animar" geralmente não ajuda em nada. Seja sensível: imagine se sentir como se o mundo estivesse contra você e tudo estivesse dando errado; o que você gostaria de ouvir? Perceba que a depressão é um estado bastante real e doloroso para quem sofre com ela e não use frases como essas:

-É tudo coisa da sua cabeça.

-Todos nós passamos por coisas assim.

-Vai ficar tudo bem.

-Pare de se preocupar.

-Olhe pelo lado bom.

-Você tem tanto para viver, por que quer morrer?

-Pare de ser louco.

-Qual o problema com você?

-Você já não deveria estar melhor?

Não discuta com os sentimentos da pessoa

Compreensão e paciência são fundamentais para lidar com um indivíduo que apresenta um quadro de depressão profunda. Algumas pessoas podem confundir a doença com preguiça ou falta de interesse, e essas comparações agravam mais ainda o quadro de depressão, retardando o tratamento. Saiba ouvir a pessoa deprimida com empatia e tente entender o que ela sente. Aproveite para lembrar de momentos felizes e conquistas, trazendo esperança para seu amigo.


Não tente convencer a pessoa a parar de sentir o que sente. Os sentimentos dela podem ser irracionais, mas dizer que ela está errada ou discutir com ela não é o certo. Em vez disso, você pode dizer: "Sinto muito por saber que você se sente dessa maneira. O que posso fazer para ajudar?".

Saiba que a pessoa pode não falar com honestidade sobre como está se sentindo mal. Muitos deprimidos sentem vergonha de sua condição e mentem sobre sua depressão. Se você perguntar "Tudo bem com você?" e a pessoa responder "Tudo", pense numa maneira diferente de perguntar para conseguir saber como ela realmente se sente.

Não culpe ou julgue

Frases como "Para de agir como louco" e "Você ficou assim porque é pessimista" não ajudam e não refletem em nada a realidade.

A depressão, na maioria das vezes, é o reflexo de um desequilíbrio químico (e muitas vezes de causas genética), que não tem nenhuma correlação com escolhas que a pessoa toma na vida.

Nunca diga a alguém que ele não tem motivos para estar naquela situação. Não liste adjetivos para mostrar a ele razões pelas quais eles não deveria estar triste. Não diga que os problemas dele são bobos ou que não há razão para se preocupar. Eles vão se afastar, ficar introspectivos e parar de falar sobre o assunto.

LEMBRE-SE

Você não vai curar a depressão alheia

Você provavelmente quer ajudar seu amigo o máximo que puder, mas lembre-se de que não pode curar a depressão dele. Pode encorajá-lo a procurar ajuda e estar presente quando ele precisar; no entanto, a decisão final de querer melhorar é do seu amigo.

Cuide de si mesmo também e saiba quando se afastar

É fácil se envolver nos problemas do seu amigo e esquecer-se de si mesmo. Ficar perto de uma pessoa deprimida pode piorar seu humor ou despertar seus próprios problemas. Reconheça que seus sentimentos de frustração, impotência e raiva são normais.

Caso esteja com muitos problemas pessoais para resolver, talvez não consiga ajudar seu amigo. Não use os problemas dele como uma maneira de evitar os seus.


Reconheça quando seus esforços para ajudar a outra pessoa estiverem impedindo você de aproveitar sua vida ou de cuidar das coisas mais importantes para si. Não será saudável nem para você nem para a outra pessoa se ela se tornar dependente demais de você.

Se achar que está sendo afetado pela depressão do seu amigo, procure ajuda. Pode ser uma boa ideia começar uma terapia também.Cuidar de uma pessoa com transtorno mental pode ser desgastante e difícil. Neste período, não deixe sua saúde ou individualidade de lado. Tire um tempo para si mesmo e busque ajuda quando necessário.

Você pode ficar frustrado ao ver que seus conselhos e incentivos bem-intencionados são recebidos com resistência e mau humor. É importante não levar o pessimismo da pessoa para o lado pessoal, pois ele é um sintoma da doença, não um reflexo seu. Caso sinta que esse pessimismo está levando muito da sua energia, descanse um pouco e passe um tempo fazendo algo de que goste e que ache inspirador.

É especialmente importante fazer isso se morar com a pessoa e achar difícil se afastar de outra maneira.

Direcione sua frustração para a doença, não para a pessoa.Mesmo se não ficar com ela, entre em contato pelo menos uma vez por dia para saber como ela está.

Faça terapia

Para poder ajudar alguém, primeiro você precisa estar bem com você mesmo.Para compreender o que se passa com uma pessoa querida é importante que você se conheça bem. O autoconhecimento o deixará preparado para lidar com as suas emoções e com as de seu amigo.

Muitas vezes, quando estamos em um processo de escuta ativa, os relatos do nosso interlocutor podem acionar pontos do nosso inconsciente. Nesse momento, precisamos saber o que exatamente é do outro e o que é nosso. A psicoterapia é um processo altamente recomendado para pessoas que convivem com amigos ou familiares em depressão.

Quanto mais estabilizado emocionalmente você estiver, mais preparado estará para ouvir, refletir e ajudar.

Exerça seus hobbies, ria

Separe um tempo para sua vida longe da pessoa deprimida. Mesmo que você esteja sendo um ótimo amigo fornecendo apoio físico e emocional, lembre-se de separar um tempo para aproveitar a vida de maneira saudável e relaxante.

Passe bastante tempo na companhia de amigos e familiares que não estejam deprimidos.

Separe um tempo para dar risada. Se não puder fazer com que a pessoa deprimida ria pelo menos um pouco, saia com pessoas engraçadas, assista a uma comédia ou leia algo hilário na internet.

Não se sinta culpado

Não se sinta culpado por aproveitar a vida. Seu amigo está deprimido, mas você não, e tem permissão para aproveitar sua existência. Lembre-se de que, se não estiver se sentindo bem, não será capaz de ajudar seu amigo.

Eduque-se sobre a depressão

Pesquisar e conversar com profissionais para ajudar o depressivo é importante para entender o que ele está passando e como encarar a situação. Assim, você estará mais preparado para apoiá-lo, saberá o que esperar e aprenderá a lidar com a situação sem se desgastar demais.

Livros sobre depressão e auto-ajuda podem ser úteis, especialmente quando eles são fontes confiáveis de conselhos ou orientação. A leitura pode ser uma fonte chave para ajudar as pessoas com depressão.


Os livros podem muitas vezes lançar luz sobre os tipos de tratamento disponíveis. Artigos de blog também são recomendáveis, desde que você tenha a certeza que as fontes sejam confiáveis e que os artigos tenham sido escritos por profissionais capacitados. É aconselhável observar a curadoria de profissionais devidamente registrados junto aos conselhos de psicologia ou medicina.

Fique Atento

Se alguém que você ama teve depressão no passado, preste atenção se a pessoa está experimentando algumas das fases de vida mais arriscadas (em termos de depressão), como a adolescência ou um parto recente.

A depressão pós-parto, por exemplo, acomete mais de 25% das mães no Brasil. Pode trazer inúmeras consequências ao vínculo da mãe com o bebê, sobretudo no que se refere ao aspecto afetivo. Isso pode ter efeitos no desenvolvimento social, afetivo e cognitivo da criança, além de sequelas prolongadas na infância e adolescência. Uma mulher depressiva, normalmente, amamenta pouco e não cumpre o calendário vacinal dos bebês. As crianças, por sua vez, têm maior risco de apresentar baixo peso e transtornos psicomotores.

Além disso, se o curso é difícil para ele ou ela emocionalmente devido à separação conjugal, divórcio, perda de emprego, uma morte na família, ou outro estresse grave, você deve estar pronto para intervir e ajudar.

A automutilação pode ser um sinal precursor dos pensamentos de suicídio. Fique de olho no seu amigo e continue a proporcioná-lo acolhimento, segurança e incentivos gentis. Esteja ao seu lado. A automutilação não significa necessariamente que alguém se tornará um suicida, ela geralmente indica que essa pessoa está sofrendo muito e, embora exista a possibilidade de ser um grito de socorro, você nunca deve deduzir isso.

Se você apesenta os sintomas da depressão, procure ajuda! Comunique-se, converse com seus amigos e familiares e busque ajuda profissional. Ou então, ligue para para o Centro de Valorização da Vida (CVV), cujo número é 188.

#BeARebel

Com informações de SBIE (Sociedade Brasileira De Inteligência Emocional), Vittude, VIX e WikiHow. Arte por Hannah Daisy.

#suicídio #depressão #saúde #saúdemental #setembroamarelo #prevenção #ajuda